top of page
Blue Ocean Elegant YouTube Channel Art (8).png

Tudo pronto para o MolokaBRA 2023

Atualizado: 26 de ago. de 2023



As competições do MolokaBRA estão prestes a começar neste sábado, dia 26, na região metropolitana de Fortaleza (CE), com a participação de mais de 80 velejadores das classes Kitesurf, Kite Foil, Wing Foil e Windsurf.


Este evento esportivo, que também incluirá provas de stand up paddle, remo e canoagem, é amplamente reconhecido como a maior competição de downwind (realizada a favor do vento) do Brasil.


As atividades acontecerão em várias cidades, incluindo Aquiraz, Fortaleza e Caucaia, em um percurso que passará por pontos turísticos notáveis do estado, como o Beach Park, a Praia de Iracema e Cumbuco, que é considerada o epicentro do kitesurf na América do Sul.


A organização do evento está a cargo de várias entidades, incluindo a CBVela (Confederação Brasileira de Vela), a Federação Cearense de Vela e Motor, o Iate Clube de Fortaleza, bem como outras organizações que supervisionam diferentes modalidades esportivas. A ASUP-Ceará é a entidade responsável pela organização geral do festival.


De acordo com Daniel Azevedo, vice-presidente da CBVela, "O evento consolida o Estado do Ceará como um dos locais mais adequados para a prática de velejar, aproveitando os ventos e águas quentes. O litoral oferece condições ideais para o downwind, que se beneficia dos ventos favoráveis. O MolokaBRA, que começou com remadores, agora se expandiu para incluir mais modalidades e bateu recordes de participação de atletas neste ano."


O evento será composto por seis provas de vela, começando no sábado com o Desafio Rei e Rainha da Orla, uma regata bidirecional de kitesurf que abrange 35 km, partindo do Beach Park até a Barra do Ceará.


No domingo, o destaque do MolokaBRA será uma regata de 60 km partindo do Beach Park até o Cumbuco, englobando as categorias Bidirecional, Wing Foil, Wind Surf, Kite Foil e Kite Wave.


Esta competição será considerada a Copa Brasil de Downwind. As previsões indicam ventos de 12 nós, considerados de intensidade média para as categorias mencionadas acima. As temperaturas devem atingir cerca de 30 graus Celsius.


Dudu Mazzocato, velejador brasileiro, descreve a prova como "tecnicamente rápida, exigindo que os atletas mantenham o ritmo acelerado. A maioria a completa em pouco mais de uma hora. É um desafio físico considerável e não basta seguir em linha reta. É necessário saber aproveitar tanto o vento quanto as ondas do mar."


Além disso, o evento também englobará o Campeonato Pan-Americano de Canoagem Oceânica COPAC e os Brasileiros de SUP Downwind pela CBSUP, atraindo atletas nacionais e internacionais e promovendo a competição e o intercâmbio esportivo.


O atleta neozelandês Tupuri King, especialista em canoagem oceânica, não apenas participará da competição, mas também compartilhará seus conhecimentos e habilidades através de clínicas em Fortaleza (CE).


A entrega de kits e os briefings técnicos aconteceram no Iate Clube de Fortaleza, onde Manoel Linhares, vice-comodoro, estava presente. Linhares, que também é presidente da ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), ressaltou: "Queremos que os atletas se sintam em casa, por isso estamos acolhendo calorosamente participantes de todo o Brasil."


A CBVela (Confederação Brasileira de Vela) representa oficialmente a vela esportiva do Brasil tanto nacional quanto internacionalmente, sendo afiliada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).


A vela é a modalidade esportiva com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do Brasil, totalizando oito. Os velejadores brasileiros já conquistaram um total de 19 medalhas em Jogos Olímpicos.

bottom of page