top of page
Blue Ocean Elegant YouTube Channel Art (8).png

Segundo dia de regatas da Copa Brasil de Vela 2023



As disputas pelo título da Copa Brasil de Vela 2023 nas três versões da classe ILCA estão acirradas em Ilhabela (SP). Com regatas válidas como seletiva do Mundial da Juventude 2023, em Búzios (RJ), os atletas competem no melhor estilo boia a boia pelo troféu do campeonato nacional.


A classe ILCA 6 estará presente no Mundial da Juventude de dezembro e os competidores estão de olho na vaga do país, que será sede pela segunda vez na história. Com isso, erros podem custar posições na tabela da Copa Brasil de Vela.


Após cinco regatas no cronograma desde a terça-feira (10), Felipe Fraquelli (VDS/CBC) ocupa a primeira colocação, mas é seguido de perto por Gustavo Kiessling (CIR /CBC) e Andrey Godoy (ICB/CBC).


''É sempre um desafio velejar na ilha. Hoje, o vento estava intenso e a maré bem alta. Alguns atletas viraram os barcos antes das regatas, mas eu consegui fazer boas regatas e lidar com as condições de Ilhabela. Está sendo muito bom velejar aqui e espero continuar evoluindo nos próximos dias'', explicou Felipe Fraquelli, atleta do Veleiros do Sul e campeão da Copa da Juventude 2023.


Já no ILCA 4, a garotada do sub-19 é liderada por Renato Lunetta (ICB-DF/CBC), com Ana Maria Gordinho (YCSA/CBC) em segundo e João Pedro Prandini (YCSA/CBC) na terceira colocação. Por fim, o ILCA 7 possui João Pedro Souto (ICRJ/MB) na ponta da flotilha, Antonio Rosa (CDJ/CBC) na segunda posição e Rodolfo Streibel (VDS/CBC) na terceira colocação.


Além do ILCA, a organização da CBVela - Confederação Brasileira de Vela realizou regatas da classe 420, com dupla do Veleiros do Sul Leonardo Caminha e Henrique Becker na liderança. Entre os Dingues, Rwann Caique e Heitor Pires (EVI) seguem na ponta.


Ester Machado (EVI) está em primeiro entre os estreantes e Felipe Fridrich (EVI) nos veteranos. O OP vai de 7 a 15 anos e é considerada a classe de introdução à modalidade. Nesta quinta-feira (12), os velejadores das classes IQFoil e Finn estarão presentes na raia de Ilhabela (SP).


Apoio à vela Jovem


A vela brasileira tem como destaque o Núcleo de Base do programa da Confederação Brasileira de Vela - CBVela junto ao Ministério do Esporte pelo Convênio 920223/2022.


O projeto ajuda no fomento à modalidade desde o ano passado. Sede da Rio 2016 e de outros grandes eventos da vela, a Marina da Glória, na capital fluminense, recebe adolescentes entre 13 e 17 anos para treinos visando eventos nacionais e internacionais da Vela Jovem. Outros campings de treinamento foram realizados no Clube Naval Charitas, em Niterói (RJ).


O trabalho leva jovens atletas a se aperfeiçoarem na modalidade, com o propósito de levá-los ao alto-rendimento, incluindo participações em classes olímpicas e pan-americanas.


Sobre a CBVela


A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).


A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: oito. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 19 medalhas em Jogos Olímpicos.


A CBVela foi a primeira confederação esportiva brasileira a integrar a Rede Brasil do Pacto Global da ONU e a incorporar a agenda global da sustentabilidade - a Agenda 2030, com seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - ao seu planejamento estratégico.



Comentarios


bottom of page