top of page
Blue Ocean Elegant YouTube Channel Art (8).png

Resultados dos brasileiros no Mundial da Juventude de quarta-feira



A 52ª edição do Mundial da Juventude se aproxima da sua reta final em Búzios (RJ) e os próximos dois dias de regatas definirão os campeões de 2023 do maior evento para a nova geração do planeta. E a previsão para as provas finais de quinta-feira (14) e sexta-feira (15) é de vento forte na direção leste, bastante característico desta região.


Os mais de 400 atletas de 19 anos das 62 nações participantes atingiram a metade do campeonato nesta quarta-feira (13), com regatas disputadas com vento mais fraco pela manhã e um pouco mais intenso na tarde. O sol forte prevaleceu durante todo o dia nas raias de Manguinhos, Branca e Feia.


As brasileiras Joana Gonçalves e Gabriela Vassel abriram 11 pontos de vantagem para as adversárias mais próximas da tabela na classe 420 feminina. As israelenses Maayan Shemesh e Emilie Louviot somam 20 pontos perdidos, contra 9 da dupla do país sede. Restam mais três regatas para o fim do campeonato na categoria.


As atletas são treinadas por Rodrigo Amado, medalhista da Juventude em Marathon, Grécia, em 1994, e experiente coach na base e no profissional da vela. Segundo ele, as velejadoras Joana e Gabriela demonstram maturidade na água e ambas são competitivas desde o Optimist.


''Elas entraram nesse ritmo de competição do mais alto nível bem cedo, então o Mundial da Juventude é a continuação de um processo. É uma honra passar um pouco da minha experiência para esses atletas''.


''Entramos na reta final e a previsão é de ventar muito mais forte do que foi hoje. Agora muda, pois tem que ir com mais cuidado para evitar grandes erros em manobras e problemas maiores'', contou Rodrigo Amado, que ao lado de Leonardo dos Santos foi prata na Laser II na edição de 1994 do Youth Worlds.


Na 420 Open, Lucas Freitas e Victoria Back estão em quarto lugar, apenas 2 pontos atrás dos espanhóis Miguel Angel Hernandez e Alejandro Martin, que estão em segundo. Os italianos Quan Cardi e Mattia Tognocchi lideram. A classe 420 terá ao todo nove regatas e faltam três.


Já na Nacra 15, Alex Kuhl e Alexia Buuck voltaram para oitavo após um dia irregular na raia de Búzios (RJ). A tabela mudou e agora os espanhóis Daniel Garcia de la Casa e Nora Garcia de la Casa passam para segundo com os norte-americanos Cody Roe e Brooke Mertz em primeiro.


Na classe 29er, os catarinenses Guilherme Menezes e Fernando Menezes voltaram a se aproximar da zona da medalha. Em quarto lugar na tabela após nove provas, os dois têm reais chances de chegar na regata final lutando pelo bronze ou quem sabe a prata. Os primeiros disparados são os franceses Karl Devaux e Hugo Revil, seguidos pelo barco da Grã-Bretanha. 


''Foi um dia mais seguro do que ontem, mesmo com uma condição difícil. O vento variou muito de intensidade. Pulamos para quarto na classificação e vamos com tudo para as primeiras posições amanhã e buscar esse pódio'', explicou Guilherme Menezes.


Na 29er feminina, as polonesas Ewa Lewandowska e Julia Maria Zmudzinska continuam em primeiro e as brasileiras Clara Meyer Cardoso e Lívia Valduga Nogueira estão na 21ª posição.


Na ILCA 6, Felipe Fraquelli voltou a subir e agora está em 12º e mais próximo do objetivo que é terminar na parte de cima da tabela.  A ponta agora é do italiano Mattia Cesana, que passou o holandês Hidde Scharaffordt. No feminino, Valentina Roma foi para a 21ª e a italiana Emma Mattivi está ganhando por enquanto.


A classe Fórmula Kite vê o domínio do melhor do mundo Max Maeder, de Singapura, com 100% de aproveitamento em oito regatas. O brasileiro Lucas Fonseca fechou o dia em quinto lugar. Na versão feminina da nova classe olímpica, a turca Derin Atakan lidera. A classe não tem atleta brasileira.


Na IQFoil feminina, a brasileira Sofia Rocha manteve o 17º lugar após nove regatas disputadas na raia de Manguinhos. A ponta é da italiana Carola Colasanto. Na versão masculina, sem brasileiros, o melhor do dia foi o polonês Stanisław Trepczynski.


A Energisa é a patrocinadora oficial da Equipe Brasileira de Vela Jovem na disputa do Mundial da Juventude de Búzios 2023 por meio da Secretaria de Esporte e Lazer - Governo do Estado do Rio de Janeiro.


A marca francesa de dermocosméticos Avène é patrocinadora da CBVela - Confederação Brasileira de Vela. O acordo passa a valer a partir do mês de dezembro de 2023 e terá duração de 13 meses.



Apoio à vela Jovem


A vela brasileira tem como destaque o Núcleo de Base do programa da Confederação Brasileira de Vela - CBVela junto ao Ministério do Esporte pelo Convênio 920223/2022.


O projeto ajuda no fomento à modalidade desde o ano passado. Sede da Rio 2016 e de outros grandes eventos da vela, a Marina da Glória, na capital fluminense, recebe adolescentes entre 13 e 17 anos para treinos visando eventos nacionais e internacionais da Vela Jovem. Outros campings de treinamento foram realizados no Clube Naval Charitas, em Niterói (RJ). 


O trabalho leva jovens atletas a se aperfeiçoarem na modalidade, com o propósito de levá-los ao alto rendimento, incluindo participações em classes olímpicas e pan-americanas.


Sobre a CBVela


A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).


A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: oito. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 19 medalhas em Jogos Olímpicos.


Foto: Heusi Action

 

 

 

 

 

 


bottom of page