Imagem com Logo e Redes Sociais do Mundo Mar

Números do setor apresentados no 61º Genova Boat Show surpreendem

Crescimento real de + de 23,8% de forma global no ANO 2021


Os números do Setor náutico Italiano foram apresentados durante o salão nautico e mais uma vez estes números surpreenderam tendo um crescimento real de + de 23,8% de forma global no ANO 2021


Um CRESCIMENTO mais do que SIGNIFICATIVO NA parte da EXPORTAÇÃO Dos ESTALEIROS com EXCELENTE DESEMPENHO na parte dos SUPERYacht, acessórios e motores.

Este valor de + 23,8% para o ' ano de 2021, pode ter um intervalo de variação de ± 5%, o que determina um valor total de 5,5 a 6 milhões de euros.

O números do ano náutico que terminou a 31 de agosto de 2021, foi realizado pelo Gabinete de Investigação da Confindustria Nautica com base numa amostra significativa de empresas produtoras, e regista resultados largamente positivos para todo o setor náutico.


Estes dados foram apresentados no 61º Boat Show por ocasião da 4ª edição do Boating Economic Forecast por Stefano Pagani Isnardi - Gabinete de Estudos da Confindustria Nautica, Marco Fortis - Fundação Edison - Universidade Católica e Carlo Mescieri - Presidente ASSILEA.


O crescimento vai muito além da recuperação pós covid registrada pela indústria italiana.

Vários fatores são determinantes, entre os quais se destaca o crescimento muito significativo das exportações da construção naval que, no ano corrente até 30 de junho de 2021, atingiu o seu valor histórico máximo de 2,8 mil milhões de euros, as carteiras de encomendas dos estaleiros de super iates italianos, que para muitos operadores cobrem nos próximos três anos, e o excelente desempenho dos setores de acessórios náuticos e motores marítimos.


Se os dados do quarto trimestre de 2021 confirmarem a faixa superior das estimativas, a indústria náutica italiana voltará a atingir os níveis máximos de faturamento alcançados no biênio 2007/2008.


No que diz respeito aos dados finais para o ano civil de 2020, que emergem das elaborações publicadas na nova edição do relatório La Nautica in Cifre LOG, confirmam-se as estimativas anteriores de estabilidade substancial do setor, face às complexidades apuradas. pela pandemia.



O volume de negócios total da indústria naval em 2020 ascendeu a 4,66 mil milhões de euros, com um acréscimo igual a 1,36% para o setor da produção da construção naval, determinado pela reabertura antecipada das atividades industriais, obtida pela Confindustria Nautica graças à atividade e a relação com Governo Italiano.


Já na parte dos componentes (acessórios náuticos e motores marítimos) apresentaram queda média de 8,7% em 2020, gerada principalmente pelos efeitos do encerramento das atividades produtivas nos primeiros meses do bloqueio pela COVID, decorrente da interrupção das cadeias de abastecimento e da logística conectada.


Por fim, mais uma vez para 2020, destacam-se dois indicadores muito positivos, forte desenvolvimento atual do setor: o aumento de 2,4% no número de empregados, que ultrapassa os 24 mil, e o aumento do peso da contribuição para o PIB da parte da indústria náutica, passando de 2,22 ‰ para 2,37 ‰, apresentando, portanto, um desempenho superior ao da economia nacional.



No seu discurso, Carlo Mescieri , Presidente da Assilea, a Associação Italiana de Leasing, ilustrou a redução do arrendamento náutico estipulado de grandes iates que, no período de janeiro a julho de 2021, totalizaram 175 novos contratos no valor de 136 milhões de euros (-57,7 % em relação ao mesmo período do ano anterior).


O corte médio das operações desce para metade e cifra-se nos 777 mil euros. Estima-se que a redução, devido à reforma do arrendamento almejada pela Comissão Europeia, irá causar uma perda de 40 milhões de receitas de IVA. O atual sistema de cálculo da tributação em vigor favorece a escolha dos armadores estrangeiros de estipularem contratos de leasing náutico em Malta ou noutros países não europeus, enquanto anteriormente optavam pela Itália.


A apresentação dos dados foi seguida da mesa redonda


“ De barco para reabrir fronteiras. Quais são os cenários para a ' exportação da indústria do iatismo e do turismo náutico de entrada?" aberto com as saudações do Vice-Presidente da Confindustria Nautica, Maurizio Balducci e Andrea Benveduti, Conselheira para o Desenvolvimento Econômico da Região da Ligúria.


Carlo Maria Ferro, presidente da Agência ICE, destacou que o setor é amplamente adequado à exportação. “Quanto mais olhamos para esses números, mais eles melhoram. A força da navegação é a cadeia de suprimentos e a capacidade de trazer as grandes marcas ao sucesso em toda a cadeia de suprimentos. Na área de start-up, convidamos 10 start-ups especializados em materiais sustentáveis e produção de eletricidade. Considerando esses dados tão extraordinários, eu também lanço aqui uma proposta: por que não oferecer incentivos aos exportadores dando-lhes a oportunidade de pagar menos impostos? "



“Made in Italy - declarou Barbara Beltrame Giacomello, vice-presidente de Internacionalização da Confindustria - é um ativo central para o país. O potencial de bens de consumo “ bonitos e bem feitos” vale 135 bilhões. Há também um grande potencial a ser descoberto em países como China, Oriente Médio e Índia onde em 2025 teremos muitos novos ricos. O desafio futuro será chegar lá” .


Mauro Alfonso, CEO da SIMEST continuou: “A indústria naval e náutica italiana é um dos picos de excelência do Made in Italy, mas para garantir um maior desenvolvimento do setor no novo cenário global é importante que empresas de todos os portes, sobretudo as inúmeras PME especializadas em pequenas produções de excelência, apostam na internacionalização e apostam na inovação e sustentabilidade ”.


Alessandro Mazzoni , Senior Broker & Business Developer Equinoxe International, por outro lado, ilustrou as últimas tendências no segmento de vendas e fretamento de grandes iates, com foco particular no potencial da Itália como destino náutico internacional.


O Prof. Marco Fortis tirou as conclusões: “A indústria náutica italiana teve uma balança comercial de quase 3 bilhões de dólares, valor que é o dobro da Holanda. Estamos consolidando em 12 meses um número de exportações enorme em relação ao passado e também em relação a qualquer outro recorde. É um momento mágico para as exportações italianas, mas também para o valor agregado de nossa fabricação.

Nos primeiros seis meses do ano entre os países do euro, a Itália é o que apresenta o maior crescimento não só em termos de PIB, onde estamos mais ou menos a par da França, mas sobretudo na indústria, com +11% de crescimento adquirido nos primeiros seis meses do ano. A indústria 4.0 certamente teve um impacto, fortalecendo o sistema. Esta dinâmica a que assistimos não é, portanto, uma dinâmica de recuperação, mas sim o sinal de um reforço estrutural. Isso não significa apenas que nos tornamos mais competitivos, mas também temos menos dívidas com o exterior. Passamos de devedores estrangeiros em credores estrangeiros ”.


O novo relatório La Nautica in Figures LOG está disponível para download no portal lanauticaincifre.it


Por: Redação Mundo Mar

Imagens: Divulgação