Imagem com Logo e Redes Sociais do Mundo Mar

Catarinense comanda as regatas da Copa do Mundo de Vela, a SSL Gold Cup



O brasileiro Ricardo Navarro comanda as regatas da SSL Gold Cup, evento considerado a Copa do Mundo da Vela. Nesta semana, o juiz internacional está no Lago Neuchâtel, em Grandson, na Suíça, acompanhando todas as ações das seletivas europeias e sul-americanas para as finais do Bahrein entre 28 de outubro a 20 de novembro de 2022.

O time do Brasil já está classificado e entrará direto na fase de oitavas-de-final.A função de Ricardo Navarro é chefiar a equipe de árbitros internacionais, além de coordenar toda a parte técnica na água.


Na competição inovadora com formato de mata-mata, o mesmo das finais da Copa do Mundo Fifa, os velejadores contam com barcos iguais e se vestem como jogadores de futebol. Os juízes também, só que um fardamento que mais se parece com os oficiais da NFL no futebol americano.


Segundo Ricardo Navarro, o formato inovador da SSL Gold Cup tem tudo para ser usado nos principais campeonatos do mundo de vela. As regatas oferecem um desafio singular com oportunidades iguais para todas as equipes, que correm exatamente no mesmo barco, o SSL 47, um veleiro de alto- desempenho de 14 metros, entregue pela organização.


''É um conceito totalmente novo em uma competição entre países com barcos e equipamentos iguais para todos. No final, o fator sorte é minimizado e realmente ganha os melhores. A SSL veio para revolucionar a vela e na minha opinião deve estar nos Jogos Olímpicos em um futuro próximo'', disse Ricardo Navarro.


Com participações em olimpíadas, pan-americanos e campeonatos mundiais de vela, Ricardo Navarro também será o delegado técnico da vela nos Jogos de Paris 2024. O brasileiro coordenará as provas na raia de Marselha e terá sob seu guarda-chuva todos os árbitros, comunicação, parte técnica, voluntariado, locais de regata, e tudo relacionado à modalidade.


Diferentemente do que ocorre nos Jogos Olímpicos, em que a medal race (regata da medalha) premia o barco mais regular levando em conta os resultados das regatas anteriores, vencerá a SSL Gold Cup a equipe que correr mais rápido na hora da decisão.


Os países serão eliminados fase a fase até a Grande Final, com apenas quatro seleções. O troféu será organizado a cada quatro anos pela Sailing Athletes Foundation (SAF).


''O evento é democrático e os países por meio de seus velejadores se classificam no ranking. A SSL oferece condições para que nações venham ao evento mesmo sem condições de trazer velejadores em formato de equipe O Brasil tem uma equipe forte e vamos ver a equipe na grande final no Bahrein, espero que a gente vença a SSL Gold Cup e o hexa no Catar''.


Vale reforçar que o Comitê Olímpico Internacional recebeu o nome do brasileiro Ricardo Navarro para coordenar a vela em Paris 2024 a pedido da World Sailing, entidade máxima da vela no mundo. O oficial de regata foi escolhido para ser o elo entre as federações do esporte o COI. Ao lado de Ricardo Navarro em Paris 2024 estará Pinar Coskuner Genç (TUR) como oficial, Ana Sanchez Del Campo Ferrer (ESP), como presidente do Júri Internacional, Jurgen Cluytmans (BEL) e Presidente do Comitê Técnico.


Eliminatórias da SSL Gold Cup


Neste sábado (11), a SSL Gold Cup promoveu mais duas regatas para cada chave. Entre os sul-americanos, o Peru venceu as provas do dia, com Chile, em segundo, e Uruguai, em terceiro. A tabela agora tem os chilenos como o atleta radicado no Brasil Felipe Etchenique como tático na liderança com 16 pontos. Peru e Uruguai seguem ainda vivos com 14 pontos cada e a Venezuela, já eliminada, com seis.


Na chave europeia, Bulgária e República Tcheca dividem a liderança com 13 pontos, seguidos por Portugal com 12 e Turquia com 11 pontos. A decisão será neste domingo (12) com pontuação dobrada. Duas nações de cada grupo avançam para as finais em Bahrein em outubro e novembro.


O Brasil está confirmado já na fase de mata-mata da nova competição e terá uma equipe liderada pelo bicampeão olímpico Robert Scheidt, ao lado das multicampeãs Martine Grael e Kahena Kunze. Outro sul-americano que estará nas disputas é a Argentina, comandada pelo ídolo da vela Santiago Lange.


Por Flávio Perez