top of page
Blue Ocean Elegant YouTube Channel Art (8).png

Primeiro Fórum Mundial de Sustentabilidade de Iates é realizado em Gênova.

O tema continua no 63 Salone Nautico di Genova de 21 a 26th Setembro.



A próxima geração de consumidores e as inovações sustentáveis ​​que impulsionam a transição energética da indústria de iates ocuparam o centro do palco durante o primeiro Fórum Mundial de Sustentabilidade de Iates, realizado em Gênova.


O evento foi inédito no mundo, organizado pela International Boating Industry (IBI) e pela Italian Marine Industry Association, com o apoio da McKinsey & Company . Os palestrantes incluíram: Troy Baltic , Michael Harney , Jakob Fleischmann e Erik Dellborg representando a McKinsey & Company, Stefano Pagani Isnardi (Associação Italiana da Indústria Marítima), Eugenio Blasetti (Mercedes)Michele Francioni (MSC Cruzeiros), Jeff Wasil (NMMA), Nicola Pomi (Volvo Penta), Carlo Iacovini (Energica) e o moderador do evento Ed Slack (IBI).


As palestras e os painéis de discussão, havia uma análise dos consumidores do amanhã e soluções futuras para iates sustentáveis, apesar do impacto ambiental mínimo da indústria e dos já consideráveis ​​investimentos comprometidos com o desenvolvimento tecnológico. Os tópicos incluíram a necessidade de soluções personalizadas em uma indústria tão segmentada, uma abordagem muito mais ampla para o abastecimento sustentável, permitindo não apenas mais estações de recarga elétrica, mas maior acesso aos biocombustíveis, e como o setor deve atender a todos, desde os proprietários de hoje até a crescente demanda dos consumidores de amanhã, uma geração fortemente focada na inovação tecnológica e sustentável.


Este evento e estes pontos-chave serão retomados no 63º Genoa International Boat Show deste ano ( 21 – 26 de setembro) .


“Os aspectos abordados nesta primeira edição do World Yachting Sustainability Forum, evento que organizamos em parceria com o IBI, são extremamente atuais para o nosso setor e estão alinhados com a agenda da Associação Italiana da Indústria Marítima para os próximos anos, que já está comprometidos com o objetivo estratégico de inovação digital e verde. Na verdade, nossas empresas estão no meio dessa transição, que atrairá novos consumidores, mas também novos talentos e investimentos”, afirmou Marina Stella , gerente geral da Associação Italiana da Indústria Marítima.


O estudo apresentado hoje pela McKinsey & Company confirmou que a idade média dos proprietários de barcos sofrerá uma nova redução. O consumidor que se encontra na faixa etária dos 35-45 anos está visivelmente atento às questões relativas à inovação tecnológica e sustentável, e a indústria náutica tem, desde há algum tempo e por iniciativa própria, levado a cabo uma série de iniciativas destinadas a conseguir uma redução significativa no impacto ambiental em comparação com o passado. A Associação Italiana da Indústria Marítima continuará seu papel fundamental na conscientização das empresas do setor, acompanhando-as nessa transição, inclusive por meio da construção de redes transversais e discussões no Comitê de Sustentabilidade da Associação, que desempenha um papel ativo em todas as mesas internacionais para apoiar estas questões".


Stefano Pagani Isnardi, Chefe do Departamento de Inteligência e Pesquisa de Mercado da Associação Italiana da Indústria Marítima comentou: “A indústria de iates, apesar de ser um setor com um impacto ambiental verdadeiramente mínimo, tem investido pesadamente e por muito tempo em inovação tecnológica, e agora está entrando a verdadeira fase de transição que aponta para novos objetivos de sustentabilidade, estabelecendo um horizonte ideal de 2035. Certamente é necessário que a indústria náutica examine as diversas soluções tecnológicas que melhor se adaptam aos diferentes segmentos de mercado e aos vários tipos de uso quando se trata de barcos de lazer. O papel de uma associação como a nossa é, portanto, garantir que nossas empresas tenham a possibilidade de realizar pesquisa e desenvolvimento em todas as direções, nas melhores condições regulatórias e burocráticas, não apenas em nível nacional,"


“Este é, sem dúvida, o maior desafio e possivelmente a maior oportunidade para enfrentar a indústria náutica nos últimos tempos”, foi como Ed Slack , editor-chefe da IBI – International Boat Industry, faturou o caminho do setor rumo à neutralidade carbônica, ao lançar da conferência ao lado do Presidente da Associação Italiana da Indústria Marítima, Saverio Cecchi.


Saverio Cecchi continuou as declarações de abertura, ilustrando o papel pioneiro que a indústria italiana de iates está desempenhando ao enfrentar os desafios do futuro e gerenciar novas oportunidades; suas palavras foram seguidas pelas do prefeito de Gênova, Marco Bucci, que enfatizou o papel que a cidade assumiu no apoio à indústria náutica e sua missão de fazer de Gênova a 'capital náutica do Mediterrâneo'.


Em seguida, Ed Slack recebeu no palco representantes da McKinsey & Company, que fizeram a primeira de duas apresentações com foco em sustentabilidade. Os sócios da McKinsey, Troy Baltic e Erik Dellborg , delinearam as perspectivas atuais para a indústria de iates e ofereceram informações sobre como vários participantes do setor poderiam se posicionar para enfrentar os desafios futuros.


“Sustentabilidade e criação de valor coexistem como objetivos”, Baltic disse ao público, descrevendo a situação enfrentada pelas empresas que muitas vezes se encontram operando tanto em uma posição de “ataque” enquanto buscam crescimento, quanto em uma posição de “defesa” enquanto tentam se preparar para o futuro. contra a legislação.

Erik Dellborg comentou sobre os grandes ganhos que podem ser obtidos no curto prazo, buscando maneiras de descarbonizar a cadeia de suprimentos. Ao adquirir produtos mais sustentáveis, a indústria tem a oportunidade de “mover a agulha no mostrador hoje”, afirmou ele, enquanto atua de mãos dadas com as mudanças no sistema de propulsão que levariam mais tempo para causar impacto.


Abrindo a palavra para o primeiro painel de discussão, Ed Slack apresentou os palestrantes convidados do painel: Jeff Wasil(Diretor de Conformidade de Meio Ambiente, Saúde e Segurança da NMMA); Nicola Pomi (Diretor da divisão Yacht e Superyacht, Volvo Penta); Michele Francioni (vice-presidente, MSC Cruzeiros); juntando-se a Troy Baltic e Erik Dellborg da McKinsey para discutir os principais desafios enfrentados pelo setor. Em suma, surgiu como a indústria naval deve continuar a desenvolver e compartilhar seus sucessos ao longo da jornada rumo à descarbonização.

Todos os palestrantes concordaram com a necessidade de uma abordagem coletiva da indústria de iates, destacando que não existe uma solução única para descarbonizar o setor. A chave é a soma de resultados, construindo eficiência e adotando diferentes sistemas de propulsão dependendo do setor.


Michael Harneyda McKinsey & Company apresentou então ao público o perfil do cliente do futuro, traçando potenciais estratégias que atendam ao perfil de uma nova geração de entusiastas do iatismo, seus valores e, portanto, sua propensão a comprar, que é significativamente diferente do passado .


O editor do IBI, Ed Slack, enfatizou que a discussão e o debate contínuos são essenciais para moldar a resposta da indústria ao desafio da sustentabilidade, mas a ação continua sendo fundamental. Harney encerrou a sua apresentação traçando um plano de ação, em que desenvolver uma visão detalhada do futuro cliente e definir mudanças operacionais se torna necessário para posicionar corretamente uma marca no mercado atual e assim responder às necessidades de uma nova geração de consumidores mais jovens – com a geração Z definida para ultrapassar a geração do milênio até 2036 – para quem a sustentabilidade e a digitalização são de importância incomparável.


Harney foi então acompanhado no palco por Eugenio Blasetti , chefe de relações com a mídia da Mercedes Itália; Carlo Iacovini, Gerente Geral da fabricante de motos elétricas Energica; Nicola Pomi da Volvo Penta; e Stefano Pagani Isnardi, Chefe do Escritório de Pesquisa e Inteligência de Mercado da Associação Italiana da Indústria Marítima, para falar sobre as várias oportunidades para a indústria que surgirão em um futuro próximo com a transferência de riqueza de cerca de US$ 18 trilhões até 2030 do “baby boom ” geração aos seus sucessores.


Resumindo, a indústria requer uma abordagem coletiva: cooperar sempre que possível, evoluir e resistir ao impulso de buscar soluções rápidas. “Precisamos ser pragmáticos”, acrescentou Wasil. A indústria náutica está em uma posição privilegiada para aprender com outros setores que estão mais avançados no caminho da descarbonização, compartilhando a percepção geral de que o momento é realmente propício para agir: os mercados estão se transformando e é um momento estrategicamente adequado para o indústria a investir para alcançar o consumidor de amanhã.


“Esta edição do World Yachting Sustainability Forum é apenas o primeiro capítulo. O debate e a troca de ideias são essenciais para determinar o rumo da viagem, mas um plano de ação é fundamental”, resumiu Ed Slack para concluir.” Os insights que tivemos esta manhã são encorajadores: a indústria de iates está progredindo. Escusado será dizer que podemos e devemos fazer mais. Fóruns como este são vitais para encorajar uma abordagem coletiva: nenhum setor pode ter sucesso sozinho. A indústria deve se unir para convencer governos, legisladores e consumidores de que possui as habilidades, perspicácia e ferramentas para administrar a transição. Nos vemos em setembro para o 63º Genoa International Boat Show”.


Por: Redação Mundo Mar

Foto: Divulgação

Comments


bottom of page