top of page
Blue Ocean Elegant YouTube Channel Art (8).png

Copa da Juventude 2023 na reta final



Ventos com sete nós a noroeste ditaram o terceiro dia da Copa da Juventude, que está sendo realizada no YCSA – Yacht Clube Santo Amaro, nas raias da Represa de Guarapiranga, em São Paulo (SP) nesta quinta-feira (2). A competição da vela jovem reúne mais de 130 atletas de oito estados e terá sua decisão no sábado (4).


A CR - Comissão de Regatas conseguiu montar três raias, para quatro provas da classe 29er e uma para as classes ILCA e 420. Formula Kite e IQFoil ficaram em terra. Os ventos não passaram de 7 nós desde o início da manhã até a metade da tarde. O campeonato é organizado pela CBVela - Confederação Brasileira de Vela e YCSA - Yacht Club Santo Amaro.


Agora a Copa da Juventude segue para sua fase decisiva. Nesta sexta-feira (3), a previsão para a região sul de São Paulo é de vento de médio para forte. Será o penúltimo dia de provas, o que aumenta ainda mais a importância das regatas.


Com vento mais forte, a tendência é de uma disputa mais equilibrada, sem dar a chamada loteria quando a condição é de merreca como dizem os velejadores.


“A grande quantidade de velejadores na Copa da Juventude é uma grande felicidade para a CBVela. Mostra que a modalidade está crescendo entre a nova geração, o nosso futuro do esporte. O nível dos atletas melhorou muito e é possível ver nas regatas essa evolução. Agora o campeonato chega na fase decisiva e a tabela mostra que temos uma disputa equilibrada em boa parte das classes”, disse Walter Boddener, gerente de eventos da CBVela.


A tabela de classificação pouco foi alterada, o que garante disputa indefinida pelo título da Copa da Juventude 2023 nas classes 420 e 29er.


Na 29er, foram realizadas nove regatas desde o início do evento em 31 de janeiro. Os irmãos catarinenses Guilherme e Fernando Menezes não se desgrudaram da liderança, mas nesta quinta-feira, a dupla Clara Meyer e Livia Valduga (ICSC – Iate Clube de Santa Catarina) conseguiu bons resultados e se aproximou dos líderes.


Com o nível técnico da classe 29er elevado, Guilherme Menezes acredita que a concorrência é fundamental para que eles fiquem cada vez mais rápidos e bem treinados.


“O nível da vela jovem brasileira está aumentando bastante. A galera está se esforçando muito para se equalizar com os adversários de fora. Mas espero que os mais velhos entrem cada vez mais na flotilha. Precisamos velejar ainda mais”, explicou Guilherme Menezes.


Os dois atletas do ICSC representaram o Brasil no Mundial da Juventude de Haia 2022 e esperam fazer o mesmo agora em Búzios 2023, quando o país volta a sediar o maior campeonato de base do mundo na modalidade.


Na classe 420, Julia Cantarino e Sofia Berardo (ICRJ) venceram a única regata do dia e permanecem na liderança da classificação geral, seguidas por Gustavo Glimm e Luisa Lepecki da (ICRJ/VDS), e com Joana Gonçalves e Gabriela Vassel (ICRJ) em terceiro lugar.


Na ILCA, Felipe Fraquelli (VDS – Veleiros do Sul) foi o vencedor da prova desta quinta e segue na liderança da classificação geral, seguido por Vitor Peixinho, que também pertence a VDS.


Como tem acontecido em todos os dias da Copa da Juventude após as regatas, a equipe técnica da CBVela se reúne com os velejadores e treinadores no Race Village do YCSA para fazer um debriefing, passando as principais condições do dia e avisos importantes para o campeonato.


“O debriefing é importante para todos. Mas com certeza, quem presta mais a atenção nas informações que o Torben e o Klaus passam, e principalmente aqueles que realmente tiram as duvidas e perguntam, são os que levam vantagem e vão absorver tudo que falamos aqui e evoluir no dia a dia do campeonato”, Ricardo Paranhos, coordenador técnico da CBVela.


Apoio à vela Jovem


A vela brasileira tem como destaque o Núcleo de Base do programa da Confederação Brasileira de Vela - CBVela junto com Ministério do Esporte pelo Convênio 920223/2022.


O projeto ajuda no fomento à modalidade desde o ano passado. Sede da Rio 2016 e de outros grandes eventos da vela, a Marina da Glória, na capital fluminense, recebe adolescentes entre 13 e 17 anos para treinos visando eventos nacionais e internacionais da Vela Jovem. Outros campings de treinamento foram realizados no Clube Naval Charitas, em Niterói (RJ).


O trabalho leva jovens atletas a se aperfeiçoarem na modalidade, com o propósito de levá-los ao alto-rendimento, incluindo participações em classes olímpicas e pan-americanas.


Foto: Caio Souza | On Board Sports


Programação

3/2

Regatas

Palestra: A rota polar – Beto Pandiani

4/2

Regatas

Cerimônia de premiação

Sobre o YCSA

Localizado na cidade de São Paulo (SP) às margens da Represa de Guarapiranga, o YCSA é cercado por muito verde, compondo um cenário natural perfeito para a prática da vela. Berço de vários campeões mundiais, o YCSA carrega a tradição de uma biografia admirável ao lado da modernidade de suas instalações e barcos.


Fazer parte desse clube é ajudar a escrever uma história que começou em 1930 e que, desde então, tem marcado a vida de cada associado. Com estrutura náutica privilegiada, o clube conta com hangares modernos para estadia de embarcações à vela e motor, escola de vela com embarcações próprias, rampa de 25 metros de largura com baixa inclinação de acesso à represa, deck e píer com maravilhosa vista da represa, trator e guindaste para transporte de embarcações, marinheiros bem treinados e lanchas e botes de apoio.


O Yacht Club Santo Amaro tem 24 mil m² repletos de natureza e é conhecido dentro e fora do país por sua estrutura náutica de ponta, oferecendo as melhores condições para o aprendizado e prática da vela. O clube é reconhecido não só pelos seus atletas campeões, mas também por sediar eventos de vela nacionais e internacionais.


Sobre a CBVela


A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).



A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: oito. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 19 medalhas em Jogos Olímpicos.

Kommentarer


bottom of page