Imagem com Logo e Redes Sociais do Mundo Mar

Brasileiro de Finn pode ter recorde de atletas em São Paulo (SP)



O Campeonato Brasileiro de Finn 2022, entre os dias de 21 a 24 de abril no YCSA - Yacht Club de Santo Amaro, em São Paulo (SP), pode ter recorde histórico de participantes.


A competição já conta com 25 velejadores confirmados para as regatas na Represa do Guarapiranga, número superior à média dos últimos anos, que foi de 12 atletas.

A 60ª edição do nacional de Finn terá na raia nomes como Ricardo Santos, Robert Rittscher, Pedro Lodovici, Pedro Trouche e outros velejadores do País.


O último campeonato nacional da classe foi realizado em dezembro de 2021 no ICRJ - Iate Clube do Rio de Janeiro, com vitória de Jorge Zarif.


O atleta foi o representante da Finn nas últimas três Olimpíadas, encerrando sua vitoriosa passagem - que teve até título mundial - em Tóquio 2020.


Sem o papa-títulos da Finn nos últimos 15 anos, a competição no Feriado de Tiradentes promete ser equilibrada em todas as categorias, do Sênior à Grand Master.

Apesar de ter vencido o Campeonato Paulista de Finn 2021, no mês de setembro, em Ilhabela (SP), Pedro Lodovici não se vê como favorito na competição da semana que vem.


''A classe atualmente é formada majoritariamente por velejadores masters, acima de 40 anos, e com diversos deles bastantes ativos, treinando e velejando constantemente''.


''Ao que tudo indica, o Campeonato vai ser muito legal com a participação de velejadores do Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Ilhabela. Esperamos ter por volta de 30 barcos na raia, o que seria um recorde de participação na história da classe para uma competição nacional. Tomara que os ventos ajudem!'', contou Pedro Lodovici.


Outro nome que promete brigar pelo título do 60º Campeonato Brasileiro de Finn é o carioca Pedro Trouche, que volta à classe após cinco anos.

O campeão da SSL Final chegou a ser número 2 da categoria na campanha olímpica de Londres 2012, mas acabou superado por Jorge Zarif. Ambos competem juntos também na Star


''Tenho como objetivo primeiramente velejar bem, tentar me entender com o barco novamente. Faz cinco anos desde que velejei de Finn pela última vez e coincidentemente foi no campeonato nacional de 2017, também realizado no YCSA'', explicou Pedro Trouche, que ficou em terceiro no Brasileiro daquele ano, atrás de Jorge Zarif e Antonio Carvalho.


''Entendo que a flotilha de hoje é outra e houve muita renovação de barco na raia. Mas gostaria muito de tentar velejar entre os primeiros. Sei que será um desafio, mas eu ficaria muito feliz de alcançar este objetivo''.


A Finn teve em seus quadros atletas de ponta da história da vela nacional como Joerg Bruder, Guga Zarif, Joca Signorini e Jorge Zarif. ''Vemos um bom número de velejadores motivados a competir o Campeonato Brasileiro. Será uma competição equilibrada e as condições são difíceis de prever na raia de São Paulo '', explicou Ricardo Santos, velejador e organizador do Brasileiro de Finn 2022.

Programação


Os atletas terão no dia 20 de abril, véspera da estreia, a pesagem obrigatória e uma regata treino. Serão premiados após o término do evento na capital paulista os primeiros colocados no geral, master, grand master, grand grand master, legend, jumbo (acima de 110kg) e pena (abaixo de 90 kg).


Mesmo fora do programa olímpico de Paris 2024, a classe segue forte no mundo, reunindo por exemplo mais de 100 barcos em seu campeonato mundial e mais de 400 no master, para velejadores acima de 40 anos.


No Brasil, devido às dificuldades para se importar os barcos, mastros e velas, a maior parte dos velejadores é da categoria Masters, o que não prejudica o nível técnico da flotilha.


O Brasileiro de Finn 2022 tem o patrocínio de Bratax Advogados, Mitsubishi Motors, Molin e Vitae Urbanismo. Apoio e organização do YCSA - Yacht Club de Santo Amaro, Confederação Brasileira de Vela - CBVela, Federação de Vela do Estado de São Paulo - FEVESP, Associação Brasileira da Classe Finn e Flotilha São Paulo.

Sobre a classe Finn


A classe Finn esteve nas Olimpíadas de Helsinque 1952 até Tóquio 2020. É um barco de 145 kg com vela de aproximadamente 10m² de área. O veleiro nasceu da mão do designer de canoa sueco Rickard Sarby em 1949 como sua entrada em um concurso de design para selecionar um novo barco monotipo para os Jogos Olímpicos da Finlândia.


Nesses mais de 70 anos de história, o Finn passou por desenvolvimento técnico cuidadoso, dos cascos e mastros de madeira, e velas de algodão aos cascos de fibra, aos mastros de carbono e às velas de kevlar da década de 1990.


Foto: Fred Hoffmann