Imagem com Logo e Redes Sociais do Mundo Mar

A Taça Prada chega a Veneza

Max Sirena e Gilberto Nobili estarão no Salone Nautico Venezia com o troféu que conquistaram em Auckland. Junto com Tommaso Chieffi eles serão os protagonistas de um talk show sobre a Copa América e empresas italianas recentes e passadas.



Dois dos integrantes da equipe Luna Rossa Prada Pirelli, que com suas regatas mantiveram a Itália e o mundo acordada em muitas noites de inverno, em um crescimento espetacular nas etapas, o time italiano venceu a PRADA Cup, um concurso para a seleção de desafiadores, e então enfrentou o Emirates Team New Zealand em um duelo sem precedentes, considerado um dos mais espetaculares da história. Max Sirena, diretor da equipe, e Gilberto "Gillo" gerente de operações da Nobili serão protagonistas ao lado de Tommaso Chieffi tático do Mouro de Veneza e integrante de várias campanhas da Copa de um talk show imperdível moderado pelo jornalista Antonio Vettese: o título é “Luna Rossa e o mouro de Veneza, as grandes aventuras italianas na Copa América”. Veneza é uma das cidades de referência do grupo PRADA, que na cidade tem uma das sedes da Fundação Prada, dedicada à arte contemporânea. O prefeito Luigi Brugnaro declarou: “Veneza recomeça e com ela toda a nação no ano em que comemora 1600 anos e volta a ser a rainha do mar. Em Veneza planejamos uma nova relação com o mar”. E o esporte, as grandes aventuras de Luna Rossa e do Mouro de Veneza são um testemunho coerente e importante.

Max Sirena comenta: “Nasci no Adriático, muitas vezes corri nessas águas no início da minha carreira e sempre guardo uma memória afetuosa delas, mesmo quando estou em lugares distantes como Auckland. Veneza e seu Arsenal permanecem únicos em beleza e conteúdo e também têm um valor importante para a Prada, que aqui tem uma das sedes de sua Fundação dedicada à arte. Estou feliz em mostrar a PRADA Cup aqui pela primeira vez para o público italiano". Max é um dos velejadores italianos que já participou da Copa várias vezes: desde 2000 em todas as participações do Luna Rossa, cinco em seis dos seis desafios , em 2010 venceu como o wing manager da BMW Oracle e em 2017 venceu com a Emirates Team New Zealand. Gillo Nobili também tem um currículo importante: já conquistou a copa três vezes, em 2010 e 2013 com a Oracle e em 2017 com o Emirates Team New Zealand. A de Max e Gillo é, portanto, uma experiência única e invejável e sua história será cheia de valores.

Tommaso Chieffi é o velejador italiano que mais ganhou títulos mundiais e italianos, começou com um campeonato mundial 470 e nunca mais parou. Sua estreia na Copa foi à frente da Itália, desafiante do Yacht Club Italiano na edição de 1987 em Perth Austrália, foi estrategista do Il Moro di Venezia em 1992, da Oracle em 2003, ainda estrategista do Shosholoza em 2007. Sua a participação está principalmente ligada ao seu papel a bordo do Mouro de Veneza, que tem uma ligação particular com a cidade lagunar. O segundo dos 5 cascos lançados pela equipe é na verdade um dos “testemunhos” da cidade e atualmente seu porto é o Arsenal de Veneza.

Durante o evento, a PRADA Cup, troféu criado pelos Mestres Prateiros de Florença a partir de uma ideia do designer australiano Mark Newson, será exibida pela primeira vez na Itália e em público fora da Nova Zelândia. O compromisso é para as 18h do sábado, 29, no Arsenale Area Scali - Submarine e nos canais sociais e no YouTube do Salone Nautico di Venezia.


Por: Redação Mundo Mar

Imagens: Divulgação